Desde Dezembro de 2013, passou a ser obrigatória a emissão de Certificado Energético para todos os edifícios, novos ou antigos, a partir do momento em que são colocados à venda ou para arrendamento.


O Certificado Energético é um documento que avalia a eficiência energética de um imóvel numa escala de A+ (muito eficiente) a F (pouco eficiente). O certificado é emitido por técnicos autorizados pela Agência para a Energia (ADENE) e tem uma validade de 10 anos para edifícios de habitação e pequenos edifícios de comércio e serviços.


Contém ainda informação sobre as características de consumo energético relativas a climatização e águas quentes sanitárias e indica medidas de melhoria para reduzir o consumo (como a instalação de vidros duplos ou o reforço do isolamento, entre outras).

 

 

Desde Dezembro de 2013, passou a ser obrigatória a emissão de Certificado Energético para todos os edifícios, novos ou antigos, a partir do momento em que são colocados à venda ou para arrendamento.


O Certificado Energético é um documento que avalia a eficiência energética de um imóvel numa escala de A+ (muito eficiente) a F (pouco eficiente). O certificado é emitido por técnicos autorizados pela Agência para a Energia (ADENE) e tem uma validade de 10 anos para edifícios de habitação e pequenos edifícios de comércio e serviços.


Contém ainda informação sobre as características de consumo energético relativas a climatização e águas quentes sanitárias e indica medidas de melhoria para reduzir o consumo (como a instalação de vidros duplos ou o reforço do isolamento, entre outras).

 

 

 

Desde Dezembro de 2013, passou a ser obrigatória a emissão de Certificado Energético para todos os edifícios, novos ou antigos, a partir do momento em que são colocados à venda ou para arrendamento.


O Certificado Energético é um documento que avalia a eficiência energética de um imóvel numa escala de A+ (muito eficiente) a F (pouco eficiente). O certificado é emitido por técnicos autorizados pela Agência para a Energia (ADENE) e tem uma validade de 10 anos para edifícios de habitação e pequenos edifícios de comércio e serviços.


Contém ainda informação sobre as características de consumo energético relativas a climatização e águas quentes sanitárias e indica medidas de melhoria para reduzir o consumo (como a instalação de vidros duplos ou o reforço do isolamento, entre outras).

 

 

 

 

 

Desde Dezembro de 2013, passou a ser obrigatória a emissão de Certificado Energético para todos os edifícios, novos ou antigos, a partir do momento em que são colocados à venda ou para arrendamento, sob pena de aplicação de multas.
O Certificado Energético é um documento que avalia a eficiência energética de um imóvel numa escala de A+ (muito eficiente) a F (pouco eficiente), emitido por técnicos autorizados pela Agência para a Energia (ADENE), com uma validade de 10 anos para edifícios de habitação e pequenos edifícios de comércio e serviços. 
Contém ainda informação sobre as características de consumo energético relativas a climatização e águas quentes sanitárias e indica medidas de melhoria para reduzir o consumo (como a instalação de vidros duplos ou o reforço do isolamento, entre outras).

 

 

 

Desde Dezembro de 2013, passou a ser obrigatória a emissão de Certificado Energético para todos os edifícios, novos ou antigos, a partir do momento em que são colocados à venda ou para arrendamento.


O Certificado Energético é um documento que avalia a eficiência energética de um imóvel numa escala de A+ (muito eficiente) a F (pouco eficiente). O certificado é emitido por técnicos autorizados pela Agência para a Energia (ADENE) e tem uma validade de 10 anos para edifícios de habitação e pequenos edifícios de comércio e serviços.


Contém ainda informação sobre as características de consumo energético relativas a climatização e águas quentes sanitárias e indica medidas de melhoria para reduzir o consumo (como a instalação de vidros duplos ou o reforço do isolamento, entre outras).

O que determina a classe energética?

O que determina a classe energética?

O que determina a classe energética?

Recomendações

 

 

O que determina a classe energética?

 

 


 

 

Ano de construção
Localização
Tipo de habitação (prédio ou moradia)
Área da habitação
Constituição das envolventes (paredes, coberturas e pavimentos)
Equipamentos de climatização (ventilação, arrefecimento e aquecimento)
Equipamentos associados à produção de águas quentes sanitárias


 

 

 

Ano de construção
Localização
Tipo de habitação (prédio ou moradia)
Área da habitação
Constituição das envolventes (paredes, coberturas e pavimentos)
Equipamentos de climatização (ventilação, arrefecimento e aquecimento)
Equipamentos associados à produção de águas quentes sanitárias

 

 

 


 

 

 

Ano de construção
Localização
Tipo de habitação (prédio ou moradia)
Área da habitação
Constituição das envolventes (paredes, coberturas e pavimentos)
Equipamentos de climatização (ventilação, arrefecimento e aquecimento)
Equipamentos associados à produção de águas quentes sanitárias

 

 

 

 

 

Ano de construção
Localização
Tipo de habitação (prédio ou moradia)
Área da habitação
Constituição das envolventes (paredes, coberturas e pavimentos)
Equipamentos de climatização (ventilação, arrefecimento e aquecimento)
Equipamentos associados à produção de águas quentes sanitárias

 

 

 


 

 

Ano de construção
Localização
Tipo de habitação (prédio ou moradia)
Área da habitação
Constituição das envolventes (paredes, coberturas e pavimentos)
Equipamentos de climatização (ventilação, arrefecimento e aquecimento)
Equipamentos associados à produção de águas quentes sanitárias

As recomendações feitas pelo técnico são apenas dicas para o caso do proprietário querer melhorar a eficiência energética da casa, no entanto não são vinculativas e não obrigam o proprietário a fazer qualquer obra ou reparação.

 

Caso o seu Certificado Energético tenha recomendações aconselhamos que considere investir na melhoria da sua habitação. 


Uma boa eficiência energética valoriza o seu imóvel: à partida, quanto melhor for a avaliação energética da casa, mais elevado será o seu preço. 


Para além disso, é também uma forma de ser mais ecológico. Por um lado ajuda o ambiente e, por outro, consegue significativas poupanças, nomeadamente nas faturas mensais de energia, acabando por se traduzir num bom investimento.

As recomendações feitas pelo técnico são apenas dicas para o caso do proprietário querer melhorar a eficiência energética da casa, no entanto não são vinculativas e não obrigam o proprietário a fazer qualquer obra ou reparação.

 

Caso o seu Certificado Energético tenha recomendações aconselhamos que considere investir na melhoria da sua habitação. 


Uma boa eficiência energética valoriza o seu imóvel: à partida, quanto melhor for a avaliação energética da casa, mais elevado será o seu preço. 


Para além disso, é também uma forma de ser mais ecológico. Por um lado ajuda o ambiente e, por outro, consegue significativas poupanças, nomeadamente nas faturas mensais de energia, acabando por se traduzir num bom investimento.

 

 

 

As recomendações feitas pelo técnico são apenas dicas para o caso do proprietário querer melhorar a eficiência energética da casa, no entanto não são vinculativas e não obrigam o proprietário a fazer qualquer obra ou reparação.

 

Caso o seu Certificado Energético tenha recomendações aconselhamos que considere investir na melhoria da sua habitação. 


Uma boa eficiência energética valoriza o seu imóvel: à partida, quanto melhor for a avaliação energética da casa, mais elevado será o seu preço. 


Para além disso, é também uma forma de ser mais ecológico. Por um lado ajuda o ambiente e, por outro, consegue significativas poupanças, nomeadamente nas faturas mensais de energia, acabando por se traduzir num bom investimento.

 

 

 

As recomendações feitas pelo técnico são apenas dicas para o caso do proprietário querer melhorar a eficiência energética da casa, no entanto não são vinculativas e não obrigam o proprietário a fazer qualquer obra ou reparação.

 

Caso o seu Certificado Energético tenha recomendações aconselhamos que considere investir na melhoria da sua habitação. 


Uma boa eficiência energética valoriza o seu imóvel: à partida, quanto melhor for a avaliação energética da casa, mais elevado será o seu preço. 


Para além disso, é também uma forma de ser mais ecológico. Por um lado ajuda o ambiente e, por outro, consegue significativas poupanças, nomeadamente nas faturas mensais de energia, acabando por se traduzir num bom investimento.

 

 

 

As recomendações feitas pelo técnico são apenas dicas para o caso do proprietário querer melhorar a eficiência energética da casa, no entanto não são vinculativas e não obrigam o proprietário a fazer qualquer obra ou reparação.

 

Caso o seu Certificado Energético tenha recomendações aconselhamos que considere investir na melhoria da sua habitação. 


Uma boa eficiência energética valoriza o seu imóvel: à partida, quanto melhor for a avaliação energética da casa, mais elevado será o seu preço. 


Para além disso, é também uma forma de ser mais ecológico. Por um lado ajuda o ambiente e, por outro, consegue significativas poupanças, nomeadamente nas faturas mensais de energia, acabando por se traduzir num bom investimento.

 

Cada vez que se transaciona ou arrenda um imóvel não é necessário a emissão de um novo certificado energético. Enquanto houver um certificado válido para o imóvel em questão, seja edifício ou fração, o mesmo poderá ser utilizado quantas vezes forem necessárias.


Os proprietários de imóveis com contratos de arrendamento em vigor não precisam pedir certificado energético para esses imóveis. Este apenas é exigido se os imóveis voltarem a estar disponíveis para arrendamento.


Os edifícios devolutos ou em ruínas não precisam de certificado energético caso sejam postos à venda, desde que os mesmos sejam considerados em ruínas ou devolutos pela entidade municipal onde o mesmo se situa.  

 

Cada vez que se transaciona ou arrenda um imóvel não é necessário a emissão de um novo certificado energético. Enquanto houver um certificado válido para o imóvel em questão, seja edifício ou fração, o mesmo poderá ser utilizado quantas vezes forem necessárias.


Os proprietários de imóveis com contratos de arrendamento em vigor não precisam pedir certificado energético para esses imóveis. Este apenas é exigido se os imóveis voltarem a estar disponíveis para arrendamento.


Os edifícios devolutos ou em ruínas não precisam de certificado energético caso sejam postos à venda, desde que os mesmos sejam considerados em ruínas ou devolutos pela entidade municipal onde o mesmo se situa.  

 

 

 

Cada vez que se transaciona ou arrenda um imóvel não é necessário a emissão de um novo certificado energético. Enquanto houver um certificado válido para o imóvel em questão, seja edifício ou fração, o mesmo poderá ser utilizado quantas vezes forem necessárias.


Os proprietários de imóveis com contratos de arrendamento em vigor não precisam pedir certificado energético para esses imóveis. Este apenas é exigido se os imóveis voltarem a estar disponíveis para arrendamento.


Os edifícios devolutos ou em ruínas não precisam de certificado energético caso sejam postos à venda, desde que os mesmos sejam considerados em ruínas ou devolutos pela entidade municipal onde o mesmo se situa.  

 

 

 

Cada vez que se transaciona ou arrenda um imóvel não é necessário a emissão de um novo certificado energético. Enquanto houver um certificado válido para o imóvel em questão, seja edifício ou fração, o mesmo poderá ser utilizado quantas vezes forem necessárias.


Os proprietários de imóveis com contratos de arrendamento em vigor não precisam pedir certificado energético para esses imóveis. Este apenas é exigido se os imóveis voltarem a estar disponíveis para arrendamento.


Os edifícios devolutos ou em ruínas não precisam de certificado energético caso sejam postos à venda, desde que os mesmos sejam considerados em ruínas ou devolutos pela entidade municipal onde o mesmo se situa.  

Documentos Necessários

Documentos Necessários

Documentos Necessários

Documentos Necessários

 

 

Documentos Necessários

Em que circuntâncias é 

necessário o certificado energético?

Em que circuntâncias não é 

necessário o certificado energético?

Em que circuntâncias não é 

necessário o certificado energético?

O que determina a classe energética?

 

 

Em que circuntâncias não é 

necessário o certificado energético?

Recomendações

Recomendações

Recomendações

Em que circunstâncias não é necessário o certificado energético?

 

 

Recomendações

Certificado energético

Certificado energético

Certificado energético

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Planta do imóvel
Caderneta predial urbana
Certidão de registo na conservatória
Ficha técnica da habitação (para edifícios posteriores a 2004)

 

 

 

 

 

 

 

Planta do imóvel
Caderneta predial urbana
Certidão de registo na conservatória
Ficha técnica da habitação (para edifícios posteriores a 2004)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Planta do imóvel
Caderneta predial urbana
Certidão de registo na conservatória
Ficha técnica da habitação (para edifícios posteriores a 2004)

 

 

 

 

 

 

 

 

Planta do imóvel
Caderneta predial urbana
Certidão de registo na conservatória
Ficha técnica da habitação (para edifícios posteriores a 2004)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Planta do imóvel
Caderneta predial urbana
Certidão de registo na conservatória
Ficha técnica da habitação (para edifícios posteriores a 2004)

solicite aqui um orçamento

OBTER ORÇAMENTO

solicite aqui um orçamento

OBTER ORÇAMENTO

OBTER ORÇAMENTO

solicite aqui um orçamento

OBTER ORÇAMENTO

OBTER ORÇAMENTO
ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

AceitarComo configurar